Minha Tara (3)

Minha esposa era professora e diretora de uma grande escola estadual. Tinha a seus cuidados mais de 2.000 alunos e por consequência dezenas de professores. Quando das festas e comemorações eu era convidado a participar acompanhando-a. Pude observar belas professoras e magníficos exemplares do gênero masculino. Havia um, em especial  que se destacava, educado, com seus 30 anos aproximadamente, solteiro, era agradável tanto pelo fino trato como pela aparência física. Ela já havia relatado de um tal fulano, o próprio, que sempre elegante exalava belo e caro perfume, o que lhe agradava deveras. Tive oportunidade de conhecê-lo numa destas festividades. De imediato surgiu-me a ideia de me referir a ele em próximo encontro intimo com ela, o que não tardou àquela mesma noite.  Voltando para casa e deitados, já engatilhados após as preliminares, cochichei nos seus ouvidos se podíamos convidar uma terceira pessoa a partilhar nossa noitada. Repentinamente ela deu uma estancada, crente talvez que fosse eu me referir a uma figura feminina; ela, de natureza ciumenta, assim reagira mas, quando me referi ao cheiroso professor e coisa e tal, desarmou-se em clara evidencia de aceitação. Neste momento eu latejava dentro dela como nunca; sentia também o pulsar vaginal apertando-me em espasmos. Creio piamente que muitas vezes ela já tinha fodido comigo pensando justo no tal primoroso professor. De uma forma ou de outra, eu teria chifres cheirosos e bem aprumados. Ao contrário, me senti até um tanto vaidoso. Continuei a comandar o joguinho que ora se iniciava, com muita cautela e discrição, sem vulgarizar o ato. ?Pois é, disse-lhe eu, adoraria saber de que fulano pudesse assistir como você me faz feliz na cama. Adoraria que ele estivesse sentado aos pés de nossa cama e ouvisse o entrar e sair de minha rola neste seu buraquinho tão apertado. Adoraria que ele, que gosta tanto de um gostoso perfume pudesse sentir o aroma que sai de sua bucetinha quando me fode gostoso.? Caramba, acho que exagerei pois imediatamente ela entrou num espasmódico orgasmo que me arrastou junto dando golfadas à exaustão. Não preciso dizer que quando deitados, um juntinho do outro, sentimo-nos muito mais próximos do que antes pela  cumplicidade criada. Cochichei em seus ouvidos o quanto fizera-me feliz por deixar a gostosa viagem dos nossos sentimentos voarem àquelas alturas. Perguntei-lhe o que sentira e a resposta apesar de curta: ?adorei?. estava tomada de esperanças para um futuro bem próximo.

    Contos relacionados

    Comemorando O Aniversório De Casamento

    Comemorando o dia do casamento Sábado 06/12 fizemos aniversário de casamento, fomos para Caraguatatuba/SP, chegamos à noite, a cidade estava lotada e consegui estacionar o carro numa travessa bem escura e fomos para um bar, beber e comemorar. O bar tinha...

    Meu Filho, Meu Amor E Meu Prazer

    Meu filho, meu amor e meu prazer Meu filho, meu amor e meu prazer ( 31 x 8,5 incesto ) Quando meu filho nasceu de parto normal ele pesava 6kilos 127gramas e tinha 65 centímetros, toda a minha família sacaneava. Diziam que o medico ao...

    Primeira Vez A Cinco

    Primeira vez a cinco Eu me considero uma mulher bonita, sou loura, olhos azuis, magra, alta, enfim, costumo chamar bastante a atenção por onde passo. No entanto, na época em que aconteceu o que irei contar eu estava com a auto estima em baixa,...

    Pesadelo

    Pesadelo ?AAAHM, NÃO! AAAAAAAHUM? Acordei assustado com seus gemidos, olhei para o lado e ela estava se debatendo. Rolei para perto dela e a abracei. ?Amor! Mozinho, acorda, é um pesadelo!? Ela abriu os olhos, eles sempre me desarmavam,...

    Meus Gêmeos

    Meus Gêmeos Infelizmente nesse conto cabe poucas linhas mesmo cortando pequenos detalhes vou revelar o meu segredo, que ocorreu no fim do ano passado, exatamente a 1 semana do natal. Em uma festa conheci um grupo de amigos, entre eles gêmeos,...

    Massagem na irmã gostosa

    Nem sei como começar este conto! Tudo começou quando eu fiquei desempregado, morava em um cidadezinha no interior de São Paulo, quando a empresa em que eu trabalhava veio a fechar as portas depois da crise financeira de 1998 que assolou o país.Resolvi...



    conto erotico perdendo a virgindadecontos eróticos pai e filhacontos eróticos amadorcontos eroticos enfermeiraconto erotico encoxadacontos eroticos ninfetascontos de sexo grupalcontos eroticos insestocontos eroticos cunhadaconto erotico casadacontos eroticos siriricarelatos eroticos femininoscontos eroticos encoxadasestorias eroticascontos eroticos atualizadoscontos eroticos com animaiscontos punhetacontos eróticos zoocontoseroricosprimos transandodei pro meu cunhadocontos de mulher casadacontos eroticos adolecentescontos tiacontos eroticos fantasiacontos eróticacontos eróticos cuacervo dos contoscontos eroticos acampamentocontos reais sexocontos incestuosoconto erotico para mulherescontos eroticos sobrinhaporno incesto contoscontos eroticos xxxcontos eroticos comendo a tiacontos heroticocontos eroticos primoscontos eróticos enfermeiracontos eroticos esposa safadacontos eroticos irmaoscontos de cornoscontos erotikoscontos eroticodcontos eroticos de fantasiascontos eroticos masturbaçãocontos eroticos swingconto erótico lésbicoconto eróticos lésbicascontos eroticos tiascontos etoticos incestocontos reais de incestosconto erotico transexcontos de orgiascontos eroticos amigascontos sexuais reaiscontos eroticos insestoscontos eroticos onlineincestos contoscasadocontoseroticoscontos eroticos vizinha novinhaclube do cornocontos eroticos japonesaeu minha mulher e um travesticonto erotico encoxadacontos de sadoconto erótico cornocontos eroticos de abusocontos reais sexocontos erotico sogracontosroticoscontos exibicionistaconto pornôcontos de traiçõescontos de sexo com a sogracontos sexuaisconto erotico exibicionismohistoria de sexo lesbicocontos eroticos de casaishistorias reais de cornoscontos irmaencoxada metrocontos eróticos padrecontos de sexo explicitocontos eróticos recentecontosneroticoscontierotico